sábado, 29 de dezembro de 2012

Fatiando o Tempo

Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que seu deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.
Industrializou a esperança
fazendo-a funcionar no limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano
se cansar e entregar o pontos.
Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez
com outro número e outra vontade de acreditar
que daqui pra adiante vai ser diferente...

... para você,
desejo o sonho realizado.
O amor esperado.
a esperança renovada.

Para você,
desejo todas as cores desta vida.
Todas as alegrias que puder sorrir.
Todas as músicas que puder emocionar.

Para você neste novo ano,
desejo que os amigos sejam mais cúmplices,
que sua família esteja mais unida,
que sua vida seja mais bem vivida.

Gostaria de lhe 
desejar tantas coisas
mas nada seria suficiente...
Então, desejo apenas que você tenha muitos desejos.
Desejos grandes e que eles possam te mover a cada
minuto, rumo a sua felicidade"

Carlos Drummond de Andrade

Feliz Ano Novo e muito Canadá para todos nós!
Tereza

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

"De la neige, de la neige et de la neige"

Fonte: www.radio-canada.ca

O título do post veio da matéria do Radio-Canada e já diz tudo! Em Montréal e cidades vizinhas aconteceu a maior tempestade de neve dos últimos tempos! É neve, neve e neve! 






Fonte: Facebook de uma amiga que já está por lá - Montréal
Muita gente por aqui já deve ter escutado falar da histórica tempestade de neve de 1971 com 43 cm de precipitação mas aquela se estendeu por vários dias... Essa em um só dia chegou aos 45cm em Montreal e 50cm em Longueuil!

Agora olha só que interessante, o céu tá azul! - Montreal


Fonte: www.radio-canada.ca

Para nós que estamos aqui só resta desejar boa sorte aos que já estão lá e ficar de olho nas fotos que postam por aí e nos sites de notícias. 

Bolo de Rolo, o autêntico!


Enquanto isso estamos aqui em Recife, fugidos da onda de calor do Rio e curtindo um Bolo de Rolo esperto que eu mesma fiz! Mas não vejo a hora de cozinhar por lá... 
Tereza

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

"Não sei cozinhar e não tenho mais empregada, e agora?"

Gostaram do Papai Noel tropical?!

Oi Pessoal!

Hoje já é dia 24, então quis vir desejar um ótimo Natal a todos, cheio de muito amor, paz, união, amizade e comida bem gostosa! Hehehe Então claro que passei aqui pra deixar mais uma receita prática para vocês! Hoje vamos de sobremesa!
Delícia de Natal
Pode ser feita com o Panetone tradicional (com frutas cristalizadas) ou com chocotone (com gotas de chocolate, trufado, recheado ou outras derivações que você encontrar)

Ingredientes:
1 panetone ou chocotone
500 ml de creme de leite fresco (35% de gordura)
1 leite condensado
200g de avelã torrada ou nozes
1 barra de chocolate meio amargo ou 200 gramas de frutas cristalizadas

Preparo:
Retire todo o miolo do panetone e reserve;
Torre a avelã, se for o caso, e reserve;
Derreta o chocolate e reserve (o melhor lugar para fazer isso é o microondas, coloque o tempo para 30 segundos e mexa, mais 30 e mexa, e assim por diante. É bem rápido, então cuidado para não queimar! Mexer entre um tempo e outro é fundamental);
Delícia de Natal
No liquidificador, bata o miolo do panetone com o creme de leite, o leite condensado, as avelãs ou as nozes e o chocolate (se você for fazer a opção com chocotone). 
Se for fazer a opção com frutas cristalizadas, acrescente as frutas só depois que a massa já tiver sido batida, à partir daí misturando com uma colher mesmo. 
Derrame o creme dentro do panetone ou do chocotone novamente, faça uma decoraçãozinha simpática e leve ao congelador até que endureça. 
Está pronta a sua sobremesa natalina!
Para servir imagine ele como um sorvete, se ficar muito tempo fora da geladeira derrete e você vai ter que comer de colher, mas se deixar pra tirar do congelador só na hora, vai ficar bem firme. Daí é só tirar um pouco antes e cortar em fatias.
Espero que gostem!
Feliz Natal!
Tereza

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Os passaportes chegaram!!!

Não tem emoção melhor para definir esse momento que: alívio! 
Sabe quando você está preocupado e nervoso há muito tempo com algum problema e de repente tudo se resolve? Foi assim... Como pegar fôlego novo!
Desde que ficamos sabendo que o consulado de Buffalo (EUA) foi fechado e todos seus processos transferidos atrasando muitos deles ficamos muito receosos que alguma coisa acontecesse, afinal já foram 2 anos e 3 meses investindo nesse projeto.
Eu estava chegando em casa do shopping depois de fazer compras de Natal de última hora com uma prima muito querida que está nos visitando, quando o porteiro aparece segurando o tão sonhado e esperado envelope pardo! Com uma cara de quem não fazia ideia da importância do que aquela encomenda significava, me entregou e ficou parado me olhando. Acho que eu devo ter feito uma cara de um misto de felicidade e surpresa tão grande que ele deve ter ficado curioso. Daí já fui caçando o celular dentro da bolsa (porque que nessas horas o desgraçado nunca aparece?!) pra ligar pro marido! Corri para a cozinha, fiz um jantar daqueles e abrimos um espumante comprado na nossa Lua de Mel para momentos especiais! Quer momento mais especial do que esse?? Ai meu Deus, muito obrigada por mais essa etapa concluída!
Essa foto não ficou muito boa, mas
coloco mais no próximo post!
Visto de imigrante para o Canadá, Check!
Agora só falta ganhar na mega da virada! 
Tereza

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

"Não sei cozinhar e não tenho mais empregada, e agora?"



Quiche Lorraine
Receita de hoje: Quiche
Quiches são versáteis. Salgadas ou doces, podem ser servidas como prato principal (geralmente acompanhadas de salada), como entrada em porções menores ou ainda como canapé em tamanhos reduzidos.
O legal da Quiche salgada é que o recheio pode ficar a seu critério, dá para fazer do sabor que você quiser que a massa e o creme são os mesmos, é só soltar a criatividade.
Como eu acho que de todas a mais famosa deve ser a Lorraine, como o nome já diz vinda da região de Lorena na França, achei que ela seria um bom começo, mas também gosto muito dos recheios de brócolis com tomate seco (tem que cozinhar o brócolis antes, tá?), mix de cogumelos com alecrim (cogumelos frescos!) e de agrião com queijo branco (tipo minas curado, queijo coalho, ricota...).
Então vamos à receita!
Para essa aqui eu usei uma assadeira de 10cm de diâmetro, suficiente para render 6 fatias se for para uma refeição ou 8 se for servir como entrada.

Quiche Lorraine
  • Massa:
1 xícara e meia de farinha de trigo;
uma pitada de sal;
80 gramas de manteiga gelada;
2 colheres de sopa de água.
  • Recheio:
150 gramas de bacon;
meia cebola;
50 gramas de queijo Gruyère ralado;
80 gramas de queijo tipo Grana Padano ralado;
  • Creme:
2 ovos;
150 mls e creme de leite fresco (se não tiver do fresco pode ser do de caixinha, mas bom mesmo é o fresco);
70 mls de leite;
um pouquinho de noz moscada ralada na hora;
sal e pimenta preta ralada na hora.

Preparo:
Ponto da massa
Pré aqueça o forno. Para a massa: misture todos os ingredientes até que formem uma massa uniforme. Sem untar, cubra o fundo e toda a lateral da forma. Com um garfo faça furinhos em todo o fundo (o garfo deve tocar o fundo da forma). Por 10 minutos e à 180° asse a massa ainda sem nenhum tipo de cobertura. Depois de pronta, reserve.
Fundo com furinhos
Para o creme: misture todos os ingredientes e tempere com sal e pimenta a gosto. Reserve.
Para o recheio: Você pode usar o bacon em cubos ou em fatias, tanto faz. Se for em fatias corte cada uma delas em pedaços com a espessura de um dedo indicador. Refogue o bacon na frigideira, não precisa acrescentar óleo ou azeite, a gordura do próprio bacon já é suficiente. Quando terminar reserve o bacon da frigideira e descarte a gordura. Ainda sem lavar a frigideira acrescente a cebola cortada em pedacinhos e refogue também.
Espalhando o recheio uniformemente
Finalização: Uniformemente espalhe o bancon, a cebola, e os queijos sobre a assadeira com a massa pré cozida. Cubra com o creme e leve ao forno a 180° por 20 minutos ou até que a quiche esteja dourada. E pronto! Espero que gostem!
Quiche pronta!
Tereza

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Começando as despedidas...


Para mim é aqui que começa a parte difícil do processo. Perto dos futuros desafios toda essa espera pelos vistos, vida suspensa, sonhos adiados, não são nada. Sair de perto daqueles que você gosta, isso sim é doloroso. Saudade é um troço complicado.
Moro no Rio há quase 3 anos, e desde que viemos para cá a coisa foi ficando cada vez mais chata (para não falar outra coisa) de lidar. O marido não gosta do trabalho, a cidade é surrealmente cara, eu mudando de carreira, mudar para um quarto e sala depois de anos morando em uma casa, pagar um preço de um apartamento de 4 quartos em Recife por um de 50m² em um prédio que não tem absolutamente nada e fazer isso tudo com as desvantagens já tão conhecidas das cidades do Brasil... 
Hoje tive que me despedir de uma grande amiga que está se mudando para Porto Alegre, foi muito estranho dar tchau para eles sabendo que não vamos nos ver no próximo final de semana, nem no outro, nem no outro. Sem contar que isso significa que não temos mais ninguém aqui.
Agora some a solidão aos outros fatores já descritos e imagine a animação que eu estou!
Eu costumo ter muita facilidade para adaptação, mas bicho... Aqui tá lasca... Mesmo já tendo uma previsão de quando vamos, parece que cada dia que passa a data fica mais distante. Queria dormir por uns 4 meses seguidos...
Próximo passo, sair do nosso apartamento.
Tereza

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Ranking Mercer


No começo desse mês saiu o novo ranking Mercer que avalia as melhores cidades do mundo em termos de qualidade de vida e infra estrutura.
Segundo o site os dados foram coletados entre setembro e novembro de 2012, observando mais de 460 cidades!
Os fatores avaliados foram: ambiente político e social (estabilidade política, crime, aplicação da lei); ambiente econômico (regulamentação de câmbio, serviços bancários); meio sócio-cultural (censura, limitações à liberdade pessoal); médicos e outras considerações relacionadas à saúde (suprimentos e serviços médicos, doenças infecciosas, esgoto, coleta de lixo, poluição do ar, etc); escolas e educação (padrão e disponibilidade de escolas internacionais); serviços públicos e transportes (eletricidade, água, transporte público, congestionamentos, etc); recreação (restaurantes, teatros, cinemas, teatros, esportes e lazer, etc); bens de consumo (disponibilidade de alimentos / dia de consumo, automóveis, etc); habitação (habitação para arrendamento, eletrodomésticos, móveis, serviços de manutenção) e ambiente natural (clima e catástrofes naturais).
Bom, sem muitas surpresas nenhuma das cidades do Brasil apareceu entre as primeiras 50 colocadas em ambos os tópicos, então legal mesmo foi ver que cinco dos principais centros urbanos do Canadá estão lá.
Vancouver pra variar ficou entre as 10 primeiras nos dois índices.
Já Montreal em qualidade de vida ficou classificada como 23° lugar (no ano anterior era 22°), e em infra estrutura o 13°.

Não que 23° seja ruim, pelo contrário. Mas fico me perguntando quanto o clima deve ter influenciado no resultado final e o que mais que fez ela ser “tão mal avaliada” assim...
Tá se perguntando como ficou o Brasil? Pois é, Brasília está 102°, Rio de Janeiro 112° e São Paulo 116°... Agora tem uma coisa que a gente ganha! Nas cidade mais caras São Paulo ficou com o 12°, Rio com 13° e Brasília 33°.
Ta bom pra tu?
Tereza

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Patrimônio Imaterial da Humanidade

Que a decisão de imigrar é super complicada e que envolve vários fatores a gente já está cansado de saber, e eu não sei vocês mas pra mim ela também vem temperada de frustração e culpa. Frustração de ver que as coisas não mudam, que entra ano, sai ano continua tudo igual e sem nenhuma perspetiva e culpa porque não consigo deixar de pensar que indo embora eu estou deixando o meu país, meu povo, em vez de ficar e lutar por aquilo em que acredito.
Imagem retirada
de www.imagens.us
Sentimentos conflitantes à parte, tem umas notícias que a gente recebe e que não consegue deixar de sentir orgulho das raízes que tem.
Nessa última quarta-feira (05 de dezembro) a Unesco concedeu o título de Patrimônio Imaterial da Humanidade ao Frevo pernambucano.
Dança, ritmo musical e expressão cultural que teve suas origens há mais de um século e que deu chance à trabalhadores de também aproveitarem o carnaval a seu modo.

www.g1.globo.com
A palavra Frevo veio de fervo, dado à efervescência que o ritmo proporciona e desenvolve em seus passos, esses por sua vez inspirados na capoeira e nas profissões e instrumentos de trabalho que o povo usava (e usa) no seu dia a dia.
Pode ainda ser subdividido em 3 variações: frevo de rua, frevo de bloco e frevo-canção, é Frevo que não acaba mais!

Junto com o Coco e a ciranda é basicamente o ritmo do carnaval pernambucano, nas ladeiras de Olinda só dá ele. E tome subir e descer ladeira ao lado de bloco e orquestras naquele calor da moléstia! No Galo da Madrugada então nem se fala! Já no carnaval do Recife Antigo ele compartilha espaço entre os vários polos musicais como o Manguebeat, e com nosso querido Alceu Valença.
Vale dizer ainda que dos 120 patrimônios imateriais protegidos pela Unesco, apenas 3 deles são brasileiros.
Pra quem gosta de carnaval de rua já diz a música "dizendo bem, que o Recife tem, o carnaval melhor do meu Brasil", Recife é o seu lugar.
Pra quem quiser matar a saudade ou curiosidade, segue vídeo:


A Spok Frevo Orquestra, uma das mais (se não a mais)  conhecidas orquestras de Frevo de Pernambuco. 
Eu não sou muito de carnaval, tem que ter muita disposição para acompanhar e acho que já nasci velha demais pra isso, mas que é sempre bom ver elementos da sua cultura sendo reconhecidos e valorizados, ah isso é!
Tereza

sábado, 8 de dezembro de 2012

E faz caloooor no Rio de Janeiro!


Quando você vê no jornal que a sensação térmica é de 45 Graus, você:

(a) Senta e chora;
O desenho vi do Facebook,
não sei qual a fonte...
(b) Não senta porquê o seu sofá é de courino e vai deixar sua bunda toda suada e não chora porque afinal de contas você já está desidratada o suficiente;
(c) Xinga o seu marido por não querer comprar um ar condicionado e fica na frente do ventilador que nem cachorro quando sai pra passear de carro.

Ah sensação térmica, sua ingrata... Tantas vezes achei que você era minha amiga, me deixava tão feliz naquela brisa de 20 graus, deixava as minhas noites tão agradáveis nos 15 graus... Eu te queria tão bem, e tu me vem com uma dessas!
Nessas horas sempre me vem à cabeça uma amiga minha (né Andresa!) que quando tá aquele calor desgraçado, abafado, você já sai do banho toda suada, sai na rua pingando de suor e ela diz: - Ai que calorzinho gostoso! Feliz da vida...
Oi? Nós estamos no mesmo lugar, certo?
E ainda por cima tenho que abrir mão do meu lema de Nazaré Tedesco “Ducha fria, ma nem morta!”
Vô te contar, eu achava que Recife era quente, mas eu ainda não tinha morado no Rio. Como diria o meu pai, em Recife “a brisa abunda”, aqui você não vê uma folha de árvore se mexendo...
Não vejo a hora de acabar o verão!
Tereza

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Projeto de lei 14 e alteração da lei 101


Primeira-ministra Pauline Marois.
Fonte: The globe and mail. 
Quando a Primeira-ministra Pauline Marois assumiu o governo do Canadá muita gente ficou preocupada. Afinal, quais mudanças seriam feitas por uma governante vinda do Parti Québécois para a província. Bom, por sorte ou não (depende de que ponto de vista você compartilhe), o maioria do parlamento é formada por representares de partidos de oposição, o que acredito seja o ideal para uma equilíbrio de interesses.
Eis que o momento que todos aguardavam finalmente aconteceu: o projeto de lei 14 para a alteração da Carta da Língua Francesa (lei 101 que assegura o direito de viver e trabalhar em Francês) foi proposto e aprovado.
E não é que a coisa foi muito mais light do que se esperava?! 
"Estamos em um governo de minoria, queremos garantir que esta legislação seja aprovada", disse Madame Marois, justificando o porquê de ela e sua equipe optarem por propostas menos radicais. Claro que mudanças acontecerão, afetando milhares de pessoas, especialmente imigrantes, mas nada comparado ao bicho que sete cabeças todo mundo achava que ia surgir de lá.
Seguem alguns pontos que me chamaram a atenção:
Nas creches, as atividades na língua francesa receberão mais incentivos, tornando menos impactante o período de transição das crianças para a escola. Acredito que essa seja uma medida extremamente importante para filhos de imigrantes que muitas vezes tem mais contato com o idioma materno e paterno que com o do país antes de ingressar no colégio.
Os CEGEPs (algo entre colégio e faculdade) que originalmente falem inglês dentro de Quebec não serão extintos nem proibidos a francófonos, essa era uma das grandes preocupações. Serão mantidos sob a condição de que, para receber seu diploma, o aluno terá antes que comprovar que também tem conhecimento em Francês, assim como aquele profissional que precise tornar-se membro de alguma ordem.

Nas empresas, aquelas que empregarem entre 10 e 25 funcionários precisarão deixar claros os direitos linguísticos dos seus empregados de se comunicarem em francês se  assim o quiserem. Já aquelas com mais de 26 pessoas, devem garantir que a língua utilizada para o trabalho seja a francesa, enquanto na versão atual só precisavam se preocupar com isso empresas com mais de 50 funcionários.
O PQ não quer que a falta de domínio da língua francesa se torne fator discriminatório para contratações (a não ser claro, que o Francês seja necessário para alguma função específica), se comprometendo a oferecer a francisação a todo que precisarem. 
Já no comércio, nos estabelecimentos pequenos, o governo promete ser mais flexível desde que para o atendimento ao público haja sempre funcionários capacitados a se comunicarem na língua local.


Para aqueles que quiserem consultar o Projeto de Lei 14, deixo aqui o link: 


Para as medidas quanto a educação achamos quase tudo bem lógico. Ficou dentro da ótica do partido... -Ajudar criancinhas a entrarem no colégio entendo a língua que eles utilizarão nas aulas? ok. -Manter os CEGEPs que forem em inglês obrigando os alunos a fazerem provas de francês para receberem sua ficha 19 (ou seja lá como se chame isso) visto que vivem em Quebec? É... Coerente, já que terão que entrar no mercado de trabalho se comunicando em Francês... -Profissionais que pertencerão a uma ordem fazerem provas para poderem trabalhar? Compreensível, mas o conhecimento de Francês não deveria ser obrigatório para tudo mundo? Muitas dessas profissões precisarão fazer cursos de adaptação de seus diplomas, as provas  não deverão serem respondidas em Francês? Uma coisa já não implica na outra? É importante que um profissional de saúde consiga se comunicar bem com seu paciente, ou um engenheiro civil conseguir explicar tudo para o pedreiro. Mas isso também já não é avaliado na validação do diploma? Será que não vai dificultar ainda mais pra essas pessoas? -Obrigar empresas a partir de 26 funcionários a se comunicarem no trabalho em francês. 26 pessoas ainda é uma empresa relativamente pequena, certo? E aquelas empresas americanas (por exemplo) que montam estúdios ou filiais em Quebec? Isso é comum em computação. Acrescente o fato de na própria profissão se trabalhar muito em inglês. Como é que fica? Será que não vai espantar alguns investidores? Isso tudo sem contar que quanto mais coisa se pede, mais burocracia se gera.
Particularmente acho (Tereza) importante a preocupação deles em cuidar do Francês, já vi muita gente falando que acha um exagero e que se você percorrer a província, saindo de Montreal, vai ter muita dificuldade de se comunicar em Inglês. (Ok, hora da polêmica) Mas passar a se comunicar em outra língua não ajuda na perda da identidade local? Québec hoje é uma das províncias que recebe mais imigrantes e Montreal um dos destinos mais procurados. Boa parte dessas pessoas não vem de países onde se fala francês como primeira língua. Soma-se a isso o fato de o inglês estar sempre presente no cotidiano em filme, músicas, seriados, livros... e que é a língua que o resto do país fala e analise.

Todo mundo já ouviu aquela “é melhor prevenir que remediar”, essa não é uma das grandes queixas em relação ao Brasil? Que o governo só toma previdências (quando toma) depois que aconteceu? Só vai consertar a ponte depois que ela já caiu, tira morador de área de risco depois que já desabou, opta por dar cota nas universidades no lugar de dar mais atenção à educação básica e assim por diante... Visto que o Francês é sua língua oficial, achamos que o Governo de Québec está certo em não fechar os olhos e deixar a coisa passar, com o tempo todo descuido vai ficando mais complicado “tratar”. Agora claro, tudo isso sem radicalismo. Não dá pra fechar a porteira e falar: -agora galera, só em Francês!
Achamos que algumas medidas foram legais, outras nem tanto, lembrando que aqui só escrevemos algumas. Mas que para nós imigrantes, começando do zero qualquer mudança pode deixar o processo mais complicado, né?
Vamos investir no Francês.


Carlos e Tereza 

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Passaportes enviados!

Depois de buscar passaportes novos na Polícia Federal (demoraram 6 dias úteis para ficarem prontos) hoje pudemos finalmente enviá-los para São Paulo!

Estamos bem, mas claro ansiosos para que tudo se resolva logo! E já colocamos até um champanhe especial pra gelar, prontinho para quando eles chegarem!



Agora é aguardar... 

Tereza  

sábado, 1 de dezembro de 2012

Série “Não sei cozinhar e não tenho mais empregada, e agora?” Receitas simples e fáceis.

Eu sei que muita gente fica nesse dilema. Sempre ocupado trabalhando muito e quando chega em casa tudo que quer é um bom prato de comida sem ter muito estresse. Para quem pode ter empregada ou cozinheira é muito simples, já está tudo pronto e é só esquentar, às vezes nem isso. Mas agora a coisa mudou. Estamos todos saindo do país e ter uma pessoa trabalhando para você lá fora é um luxo que nem todo mundo pode bancar. Aí você se pergunta: “Ai meu Deus eu vou morrer de fome?! Viver de congelado? Não sei cozinhar, não tenho vocação nem paciência!” E eu te digo, relaxe... Fique tranquilo que eu te ajudo nessa.
O objetivo aqui não é ser um blog de gastronomia, então os posts com esse tema vão ser esporádicos. Sempre que eu fizer uma coisa mais facinha aqui em casa, tiro foto e explico pra vocês como reproduzir. Mas lembrem-se, nessa conversa feedback é muito importante. Não tenho como saber do que é que vocês gostam, querem ou sentem saudade se ninguém me disser, ok?
A receita de hoje se chama Filé à Crème d'oignon. Parece chique, né? Mas de chique não tem nada, aliás tá longe da alta gastronomia. Por sinal, se tiver algum frequentador aí de salões nobres, me façam um favor e não contem para ninguém que estou ensinando isso! Essa receita era a salvação da minha mãe nos finais de semana. Ela era professora (agora aposentada, graças a Deus!) e trabalhava os 3 períodos do dia, saía às 6:30 da manhã de casa e só voltava às 22:30. No final de semana, feriados e madrugadas ela corrigia e elaborava provas ou dava aula particular. E claro, com toda razão do mundo, nos domingos quando a empregada (que trabalha lá em casa a mais de 30 anos, beijo Zuzu!) estava de folga, tudo que a minha mãe não queria era ter que passar horas na cozinha. Por isso não se assustem, a receita de hoje é simples mesmo e dificuldade praticamente zero!

Filé à creme dóignon
(Filé mignon com creme de cebola pronto, suficiente para 3 pessoas)

Ingredientes:

2 dentes de alho bem picadinhos;
100g de azeitona preta (daquelas bem carnudas);

450g de Cubos de filé mignon (cada pessoa consome em média 150g de proteína em uma refeição. Mas isso varia, claro...);

1 pacotinho de Creme de cebola pronto, desses da Knorr mesmo;
1 long neck ou lata de cerveja tipo escura, e só!

Modo de preparo:
Com um fio de azeite (pode ser óleo também mas eu costumo usar só azeite) quente na panela refogue o alho e a carne. O segredo para deixar a carne macia e não ressecada é não cozinhar demais (não me diga!). É pra colocar a carne na panela e selar rapinho, só pra perder aquela cara de carne crua, até porque ela vai cozinhar mais um pouco depois, quando o resto dos ingredientes forem adicionados.
Quando a carne selar, pode colocar as azeitonas e em seguida o creme de cebola. Dê uma mexida para o creme de cebola se espalhar e grudar bem na carne assim transmitindo sabor a ela. E pode acrescentar a cerveja. Mexe mais um pouco quando o molho engrossar, está pronto. A preparação é mega rápida e muito cheirosa! 
Não esqueçam de temperar a gosto com sal e pimenta do reino!

Espero que gostem!
Tereza

domingo, 25 de novembro de 2012

25 de Novembro - Dia Internacional de Luta Contra a Violência à Mulher


Oi Pessoal, como vão?!
Acabei de dar uma checada no Facebook e fui lembrada de que hoje é o Dia Internacional de Luta Contra a Violência à Mulher. Aí dei uma pesquisada e vi que a manifestação teve sua origem em Toronto! Legal né?
A data foi instituída desde 1999 pelas Nações Unidas e dá início a vários dias de protesto, 16 dias, para ser exata. Pelo menos foi isso que achei na internet. Muito justo, poderia durar o ano todo.
Foto retirada do Il popolo viola
Achei também essa foto, homens de Toronto protestando. Digo logo que esse de camisa azul virou meu herói, um salto desse tamanho e fino assim nem eu uso!



Bom resto de domingo para vocês! 
Tereza

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Blogs de estrangeiros sobre o Brasil


Acho que muitos canadenses iam achar interessante isso que nós fazemos, contar nossas experiências e expor nossos pontos de vista descrevendo as coisas mais simples e do dia a dia como ir num mercado ou à uma consulta médica. Observações sobre aspectos que eles já devem estar tão acostumados que nem percebem o quão diferentes podem ser pra quem vem de fora.
Por isso pensei que ia ser legal compartilhar com vocês alguns dos blogs de estrangeiros e suas aventuras e desventuras por esse nosso Brasil.
Nós, pelo menos eu, nunca paramos muito pra pensar em quão complicado deve ser explicar a textura de um pão de queijo ou que descrever uma coxinha pode render um post inteiro! Já pensou que a forma como você toma cerveja pode ser muito diferente da de um inglês? Ou que do mesmo jeito que é complicado pra gente ir no cabeleireiro lá e que nem sempre ficamos felizes com o resultado, para uma americana que não tem domínio completo no português pode ser tão frutante quanto fazer isso aqui? Ver como funciona a lógica do raciocínio deles e descobrir que algumas coisas que achamos absurdas podem ser ainda piores para eles e outras nem tanto e vice-versa. Saudade da terra natal, solidão, recomeçar em outro lugar sem falar direito o idioma, ir visitar o próprio país depois de tanto tempo fora de casa, são sentimentos que a gente às vezes acaba conhecendo tão bem lá fora que esquecemos que podem ser problema em qualquer lugar, inclusive aqui.
Bom, seguem as indicações:


Espero que gostem da leitura!
Tereza

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Prezado Senhor/Senhora, favor enviar seu passaporte!


Enviamos nossos exames médicos no dia 26 de outubro e hoje, 20 de novembro, o marido recebeu um e-mail do consulado pedindo para enviarmos os passaportes! Uhu!!! \o/
Bom, além de querer compartilhar as boas novas estou escrevendo pra lembrar a todos os interessados uma coisa que nós mesmos tínhamos esquecido.
Depois de recebido o visto de residente permanente nós temos 1 ano a partir da data dos exames para imigrar, certo?
Pois é, a gente só esqueceu que se a data de validade do passaporte expirar antes desse prazo o tempo para imigrar termina junto! Ai minha nossa senhora do passaporte vencido, socorrei-me!
Nós estamos super ansiosos para ir embora mas não queremos fazer isso no atropelo e acabar penando lá desnecessariamente, antes de nos aventurarmos de vez queremos ver se o marido já não chega em Montreal empregado, e pode ser que isso demore um pouco mais que maio de 2013 (tomara que não mas sejamos realistas...) que é quando expira o meu.
E como o pagamento da taxa de envio dos passaportes precisa ser feito dentro de um mês, agora é correr pra marcar horário na Polícia Federal!
Fica a dica!
Tereza

sábado, 17 de novembro de 2012

Terremotos no Canadá


Para aqueles que não sabem minha primeira formação foi em Geografia e depois das últimas movimentações com tanta gente se perguntando oh céus, oh terra, andei pensando que seria legal dar pelo menos um leve esclarecimento sobre tudo isso. Afinal, o que são Terremotos e por que acontecem? É possível prevê-los? E por que acontecem no Canadá?

O texto ficou meio grande mas não dá pra resumir mais do que isso sem que perca o sentido. As imagens peguei emprestadas no Google mesmo. Espero que gostem.
Acho que esse começo todo mundo lembra da época do colégio: o interior do Planeta Terra pode ser dividido entre núcleo (a parte mais interna de altíssimas temperaturas), manto (região intermediária composta por magma) e crosta (parte mais externa e por isso mais fria e bem fina se comparada às demais).
É a Crosta que fica em contato direto com o ar e a água e é nela que ficam os oceanos, continentes, ilhas...
Eu sei que deve ser difícil imaginar o quão fina e de certa forma delicada ela é mas essa visualização é importante pra que a gente possa entender como acontece todo o resto.
Acho que uma associação tosca mas válida da estrutura da Terra pode ser feita lembrando da estrutura de um ovo de galinha. Se definirmos que a gema é equivalente ao núcleo, a clara, ao o manto e a casca, a crosta, já dá pra ter uma ideia das diferenças de proporção entre uma coisa e outra. Do mesmo jeito que a casca do ovo é bem fina se comparada ao resto de sua massa, a crosta de Terra também pode ser uma estrutura frágil se comparada a todo o resto de sua massa e ao poder que ela tem de se movimentar.

Costumamos dizer que o planeta é vivo, pois ele se movimenta independente de nossa vontade e por isso está em mutação constante. Exemplo disso são as massas de ar, ondas do oceano, dunas de areia, ciclo da maré e claro, como essa movimentação acontece também em seu interior, terremotos.
O movimento de convecção está presente em nossas vidas constantemente mesmo que não percebamos. Quando se tem uma região mais quente e outra mais fria aquilo que está entre uma coisa em outra tende a se movimentar buscando o equilíbrio, e quando a coisa não se reconfigura isso pode continuar indefinidamente.
Oi? Calma que eu explico!
Imagina o ar condicionado do quarto da gente. Porque que ele deve sempre ficar no alto? Porque o ar frio é pesado e desce, correto? Mas e o ar quente que já estava no chão, vai pra onde? O ar quente é leve, então quando o ar frio desce ele expulsa o quente para o alto e essa movimentação entre ares vai continuar até que o aparelho seja desligado.
A mesma coisa acontece dentro da geladeira, do forno, de uma panela com água para ferver. Acontece também na atmosfera, quando a gente vê no jornal a moça do tempo dizer ”uma massa de ar frio/quente está chegando”, pra onde foi a que estava ali antes? Os movimentos são cíclicos e constantes.
E claro, acontece no interior da Terra, com o núcleo irradiando calor e a crosta estando mais fria, aquilo que está no meio, o manto se movimenta.
Até aí tudo certo... Mas o que é que tenho eu a ver com tudo isso?
O problema é que a crosta por ser tão fina e frágil tem rachaduras, sendo na verdade composta por vários pedaços independentes chamados de Placas Tectônicas. Então, quando o movimento de convecção acontece, é como se as partes da casca de ovo, as Placas, “dançassem” sobre o manto, uma querendo ir para cada lado. E quando esse movimento acontece, por algum motivo, de forma mais brusca ou quando as partes das Placas Tectônicas estão querendo se acomodar melhor, acontece o terremoto.

Acho que a imagem é auto explicativa mas vale ressaltar que tudo aquilo que fica no interior de uma Placa tende a ter mais estabilidade, diminuindo drasticamente a probabilidade de terremotos. Por outro lado, tudo o que fica nos extremos tende a sentir mais essa movimentação porque é lá onde a ação realmente acontece. Portanto, a localização de um país dentro de sua Placa pode ser determinante para a incidência de abalos sísmicos naquele local.
Basta observar a localização do Brasil em sua Placa, a Sul-Americana, como o nosso país fica em uma região central, a probabilidade de sentirmos um Terremoto por esse motivo é bem baixa, em compensação os nossos vizinhos chilenos já passaram por maus bocados incluindo o risco mais recente de erupção vulcânica no ano passado.
Observem também a posição do Canadá e dos Estados Unidos em sua Placa Norte-Americana, depois de tudo que já falei não é muito difícil tirar algumas conclusões, né?

Acho importante falar também sobre a intensidade e frequência dos Terremotos.
Já vimos que dependendo da posição de um determinado local em sua Placa também vamos acabar observando fenômenos sísmicos com mais incidência. O maior exemplo de tudo isso é o caso do Japão. O Japão é um ilha vulcânica e que pela constante liberação de lava em sua região está sempre em crescimento. Claro que não vai ganhar quilômetros de extensão da noite para o dia, pelo menos não tem sido esse o padrão, tá mais para milímetros ou centímetros por ano. Mas o fato é que é uma região completamente instável que sofre com terremotos diariamente.
Então porque é que a gente não vê uma tragédia atrás da outra lá?
Anos e anos de experiência e muita tecnologia. A engenharia foi desenvolvida para reforçar as estruturas dos prédios, instalando verdadeiros macacos hidráulicos e mega molas em suas bases para compensar as oscilações que sofrem constantemente, ensinar a população como agir e o que fazer ou não fazer dentro de uma situação dessas, dentro de casa, dos escritórios das escolas. Por ser um fenômeno tão comum lá, as coisas já são construídas pensando em sua resistência para aquilo.
E toda essa preparação era exatamente o que não se tinha no Haiti em 2010.

A Escala Richter é a escala responsável por medir a intensidade dos terremotos. Ela vai e zero à dez, da forma mais óbvia possível, sendo 10 o grau máximo de destruição.
Eu encontrei uma tabela no Wikipedia que exemplifica o que pode acontecer dependendo da intensidade de cada registro, achei ela coerente. Daí estou colocando aqui também.


Ah! Vale dizer também que a intensidade vai variar de acordo com a profundidade do epicentro (mais conhecido como centro do tremor).

É claro que o estrago vai depender do local onde tudo acontecer, um terremoto de escala 7 no Japão gera consequências bem diferentes do que das que foram vistas no Haiti, onde a maior parte da população é subnutrida, sem instrução necessária, e definitivamente sem infraestrutura para administrar um caos tão grande quanto o que foi visto e que infelizmente prossegue até hoje. Diversos prédios desabaram, e o número de mortes passou dos milhares.

Bom agora vamos pra parte que no interessa, Canadá.
Tanto o Canadá quanto os Estados Unidos são países que tem sua extensão na horizontal, por isso ao mesmo tempo que a parte oeste do país está bem na divisa da placa, a parte leste fica no centro, já não tendo tanto o que se preocupar...
Na região de divisa de placa a gente já viu porque acontecem os terremotos: são áreas de instabilidade que estão em movimento. O que significa que terremotos ali são esperados, e a preocupação deve ser em preparar a cidade e se preparar para quando acontecerem.
Mas se serve de consolo, o Estados Unidos ainda estão um pouco pior nessa situação, visto que a Califórnia fica no outro extremo da outra placa, ou seja, cedo ou tarde haverá um grande terremoto e os cientistas especulam de a cidade de Los Angeles não vai resistir a magnitude... Ta bom pra tu?
A grande questão aí é explicar porque ocorrem também abalos no extremo leste do Canadá. E a resposta é: ninguém sabe ao certo. Frustrante, né? Pra não dizer coisa pior.
Talvez pelo mesmo motivo que desencadeou o abalo de São Paulo em 2008 de 5,2 na Escala ou quem sabe pelo mesma razão que vez por outra tem terremoto de baixa magnitude em Caruaru, no interior de Pernambuco.
Mas espera aí! E aquela conversa toda de que o Brasil fica em centro de Placa e por isso não tem terremoto, onde foi parar?! E isso também não se aplicaria ao Canadá?
Pois é meus amigos, mistérios da natureza...
Especula-se que seja acomodação de terra, reflexos terremotos ao redor ou mesmo micro placas (sim elas também existem) ou falhas se acomodando.

Nessa história toda o mais complicado é que, ao contrário de outros fenômenos, eles não podem ser previstos e não existe atualmente nenhum tipo de tecnologia que seja capaz de dizer quando estará vindo algum. É claro que a natureza dá algumas pistas como animais ficando mais arredios, bichos que vivem em tocas geralmente saem à superfície, mas nada que seja mais eficiente.

Bom, é isso. Espero que de alguma forma tenha ajudado a entender como tudo isso acontece!
Até a próxima,

Tereza

PS: Ah, se tiver alguém interessado baixei um aplicativo que se chama QuakeWatch, custou 0,99 centavos de Dolar mas eu achei bem legal. Ele atualiza com informações dos últimos terremotos o tempo todos. A gente se surpreende com quanta coisa tem espalhado pelo mundo a fora e nem percebe. Achei legal...

domingo, 28 de outubro de 2012

Mas para Onde?

A procura foi longa, e nos tomou anos. Sem querer desanimar e tentando manter a proximidade com a família começamos nossa busca dentro do país mesmo, passando por São Paulo por 2 anos e agora estamos no Rio já há quase 3 anos, viajamos para conhecer cidades novas, e nada... A gente só conseguia constatar aquilo que já sabíamos desde o começo, que as queixas e os problemas geralmente são os mesmos e estão presentes em todas elas, umas mais outras menos, mas estão lá. Daí não teve outro jeito mesmo, foi quando resolvemos encarar que era a hora de sair do Brasil e levar a diante um plano que já tínhamos há algum tempo mas nos faltava coragem. É claro que até escolher o país pra onde iríamos fizemos uma loooonga pesquisa. Ele teria que ter alguns pontos específicos que estávamos procurando, como clima agradável durante pelo menos alguma época do ano, uma economia estável mas crescente onde provavelmente seria mais fácil arrumar emprego, educação, saúde, segurança e qualidade de vida boas, onde a área que o marido mais gosta dentro da profissão dele estivesse bem presente e claro, que existisse um processo de migração que nos fosse favorável, não bastava a gente querer o país, ele tinha que nos querer também. Acabamos fazendo um recorte que incluíam vários países da Europa inclusive os mais ao norte, América do Norte e Austrália, inclusive durante esse tempo eu acabei indo fazer, intercâmbio na Alemanha e o marido que desde o começo veio com a ideia do Canadá, foi pra Montreal. E fomos por eliminatória, por uns ou por outros motivos fomos descartando e acabamos ficando entre Canadá e Austrália, que acabou sendo cortada também porque além do processo de migração do Canadá ser melhor, Afe Maria como é longe aquele lugar! Já decididos pelo Canadá optamos pelo processo de Québec, que atendia mais aos nossos requisitos e que atendíamos mais os requisitos deles do que o processo federal. 
O marido já estudava francês e a profissão dele era bem quista lá, daí demos entrada no Processo com ele sendo o principal e desde então estamos aqui, sofreeeendo com essa demora e loucos para resolver logo tudo isso pra finalmente dar prosseguimento às nossas vidas.
 Ai, como o tempo se arrasta!

Tereza